Francisco Antonio Soeltl é homenageado com o Prêmio LASPA


No último dia 19 de setembro, na cidade de Cartagena das Índias, Colômbia, o GCSM (Global Council of Sales Marketing) homenageou Francisco Antonio Soeltl, presidente da MicroPower e do Portal Learning & Performance Brasil,  com o diploma de Honra ao Mérito Empresarial “LASPA - Latin American Sales Personality Award 2014” com o título “Empresarial”.
Francisco Antonio Soeltl recebeu a condecoração pela excelência de suas atividades empresariais junto ao mercado brasileiro e da América Latina.


O GCSM (Global Council of Sales Marketing) é uma entidade criada por um grupo de empresários brasileiros com o propósito especial de ampliar o escopo e, dar reconhecimento nacional e internacional às melhores práticas de negócios, governanças sustentáveis, éticas e vitais para o desenvolvimento econômico, social e de mercado.


Por ser um prêmio regional, o GCSM procura sediar o LASPA em países da região ou que têm foco na América Latina e que possam oferecer um conjunto de serviços, de hotelaria e de oportunidades empresariais e de negócios aos participantes. “O objetivo do LASPA é promover a integração do mercado latino-americano. A sua relevância maior concentra-se no estímulo a maximização de mercados. Em 2016, o evento deverá ser sediado no Chile”, afirma Agostinho Turbian, presidente e CEO do GCSM.


“Em nome da MicroPower agradecemos imensamente o reconhecimento do GCSM – Global Council Of Sales Marketing, e gostaríamos de compartilhar esta homenagem com nossos Clientes e Colaboradores, nosso maior patrimônio”, enfatizou Francisco Antonio Soeltl.
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

A nova onda dos Vídeos


O uso de filmes e vídeos em treinamento não é algo novo. Lembro com saudades das aulas com filmes que tive quando cursei o segundo grau, no fim da década de 1970. Saudades não pelo seu conteúdo, mas sim pela diversão – éramos levados a uma sala de cinema, onde fazíamos mais bagunça do que aproveitávamos os filmes didáticos que eram apresentados. Na época, isso era uma grande novidade, principalmente porque dependia de recursos caros: um cinema equipado e com profissionais especializados.

A primeira explosão da utilização de vídeos como recurso didático ocorreu em meados da década de 1980, com o barateamento e a simplificação dos equipamentos de gravação e reprodução. Os filmes podiam ser levados para qualquer sala de aula, sem a necessidade de grandes recursos e complicações. 

Poucos anos depois nasciam os CBTs, os treinamentos baseados em computadores, que eram vistos erroneamente como substitutos dos meios de treinamento tradicionais, e por essa razão incorporavam todo material didático existente (incluindo os vídeos) nos seus CDs. A ideia era possibilitar uma experiência próxima da sala de aula, e assim, muitos CDs de treinamento traziam aulas gravadas com professores de carne e osso. 

Com a chegada do modelo e-Learning como conhecemos hoje, que baseado em ferramentas on-line altamente dependente de recursos de transmissão de dados, vimos uma grande limitação para a utilização plena de vídeos. Para se transmitir vídeos com qualidade, de forma fluída e sem engasgos, são necessárias conexões de alta velocidade, além de tecnologias que permitam que o vídeo seja enviado e assistido sob demanda. 

Hoje estamos assistindo à uma segunda explosão na utilização de vídeos em treinamento. As velocidades de internet disponíveis em nosso país estão chegando a valores propícios, e a tecnologia em ambas as pontas (os servidores de um lado, e o equipamento dos usuários do outro) já não é complicada e tão cara. O streaming de vídeo possibilita a disponibilização de conteúdos longos sem que seja necessário esperar pelo download. Hoje pode-se disponibilizar bibliotecas inteiras em vídeo, com custo e qualidade excelentes.

No aspecto didático, as vantagens da aplicação de vídeos nos treinamento on-line, sejam técnicos ou comportamentais são evidentes. Em treinamentos para utilização de equipamentos, ou de execução de procedimentos, pode-se mostrar o passo-a-passo como deve ser na vida real. Pode-se criar situações que espelham a realidade e inspiram, como depoimentos e entrevistas. É possível utilizar vídeos para se capturar e disponibilizar o conhecimento de especialistas, o que seria muitas vezes impossível utilizando-se materiais didáticos tradicionais.

Embora as vantagens da aplicação de vídeos em treinamento sejam muitas, eles não são a solução para todos os casos. As animações, por exemplo, continuam imbatíveis nos temas intangíveis e nas metáforas. Não podemos, também, perder de vista os recursos de aprendizado informais, assim como as bases de conhecimento e as ferramentas colaborativas. 

E então, como podemos aproveitar essa nova onda dos vídeos? O primeiro passo é avaliar sua aplicabilidade a cada conteúdo. Quanto maior a necessidade de demonstrações e explicações de tarefas, maior a aplicabilidade. Sua utilização também é indicada nos casos em que se necessita de uma produção rápida e de baixo custo. Ao se entrevistar um especialista, por exemplo, ou acompanha-lo em suas atividades, captura-se em poucos minutos um conteúdo que levaria horas (ou dias) para ser formatado. 

O custo e a velocidade desse recurso é extremamente atraente. Vale a pena experimentar e encontrar as melhores aplicações em sua empresa! 

Augusto Gaspar
Diretor de Soluções Consultivas

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Conhecimento não é descartável


O conhecimento pode ser descrito como o conjunto de todo conteúdo adquirido por um indivíduo, acrescido de suas interpretações e correlações que, aliás, acontecem de forma muito particular na mente de cada um.

A quantidade de conhecimento que geramos é diretamente proporcional à quantidade de informações que recebemos diariamente, e também à nossa capacidade de gerar as conexões do que chega de novo com o que já sabemos e já experimentamos anteriormente.

Uma preocupação é a velocidade com que as mudanças ocorrem atualmente gerando novas informações a cada instante. Assim, toda informação que recebemos torna-se altamente perecível, isto é, seu prazo de validade é muito curto.

Esse fenômeno, na prática, não chega a ser um grande problema, porque da mesma forma que a informação de ontem pode ser totalmente inútil hoje, temos acesso a informações novinhas em folha na hora em que desejarmos. O problema está em entender se essa quantidade imensa de informações gera, de fato, conhecimento.

Somos submetidos todos os dias a um volume tão grande de informações que descartamos, mesmo sem perceber, boa parte delas. É fácil perceber que isso acontece quando não nos lembramos de assuntos corriqueiros que aconteceram nos últimos dias (ou nas últimas horas).

Em um processo de aprendizado espera-se, com o conhecimento adquirido, que possamos executar as tarefas que são exigidas no trabalho com bom desempenho e por um longo tempo. Devemos repensar o modo como adquirimos e aplicamos o conhecimento. Assim, precisamos dar a devida importância às informações que precisamos elaborar, de forma a gerar e reter conhecimento útil para o nosso trabalho e para nossa vida.

Nem tudo o que sabemos precisa mudar ou ser atualizado, o conhecimento não pode ser descartável.

Portanto, é importante que haja uma concentração de esforço de aprendizagem naquilo que tem um prazo de validade mais longo, como os métodos, as formas de trabalho e os conceitos que sustentam as teorias, e deixar o restante, mais volátil, para ser consultado (e “aprendido”) no momento em que for necessário.


Augusto Gaspar
Diretor de Soluções Consultivas

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Um modelo efetivo para o Aprendizado Organizacional


Não há dúvidas que o aprendizado leva a um melhor desempenho, desde que seja efetivo. Por “efetivo” podemos entender que as pessoas aprenderam o que precisavam aprender, e que vão passar a trabalhar melhor depois do processo de aprendizado. Parece simples, mas não é.

Para aprender de fato, é necessário que as pessoas estejam motivadas para isso, o que significa que devem ter uma ideia da importância que aquele conhecimento trará para elas ou, em uma situação ideal, sentem necessidade daquele conhecimento que irão receber.

No formato de treinamento tradicional, o conhecimento é transmitido sem uma preocupação com a sua aplicação prática, e raras vezes tem uma correlação direta com as atividades que as pessoas desempenham. Isto vale tanto para os treinamentos presenciais, em sala de aula, como na modalidade à distância e nas modalidades que utilizam outros recursos eletrônicos.

Dessa forma, como garantir que as pessoas irão aprender se elas não percebem a aplicação do conhecimento?

Os novos modelos de aprendizado nos mostram os caminhos ampliar os resultados dos programas de treinamento, apoiados no conceito de que o aprendizado ocorre em maior parte durante o tempo de trabalho e em menor escala o treinamento formal (seja presencial, on-line ou Blended).

Nestes novos modelos procura-se disponibilizar outros recursos para gerar o aprendizado, como acesso a materiais de referência, ajudas on-line, ferramentas de colaboração e o apoio de especialistas e coaches, como por exemplo:

O acesso a bases de conhecimento e a especialistas (pessoas da empresa com mais prática e conhecimento no assunto) pode alavancar o aprendizado trazendo experiências práticas de outros, evitando que erros – naturais em um processo de aprendizagem – se repitam. Aprendemos com nossos erros, mas em uma organização, os mesmos erros não precisam se repetir.

Sistemas de suporte aos funcionários, chamados EPSS (Employee Performance Support Systems), provêm uma “tutoria eletrônica” extremamente útil para a resolução de problemas e dúvidas pontuais nas atividades de um processo, e estão tornando-se cada vez mais sofisticados e amigáveis.

A prática de coaching e mentoring pós-treinamento apoia as pessoas na construção das habilidades e dos conhecimentos requeridos para executar as novas atividades, incutindo a motivação para aprender e buscar seu desenvolvimento. O Mentor, com sua orientação técnica e experiência, e o Coach, com seus instrumentos para melhoria de desempenho e descoberta da potencialidade individual, podem fazer muita diferença no aprendizado e na velocidade com que os novos conhecimentos e habilidades são aplicados em toda a sua extensão.

Para que o aprendizado reflita efetivamente e positivamente no desempenho, é importante termos uma visão integral, entendendo que ele não se limita a um ou outro evento, e sim ocorre durante todo o tempo.

Augusto Gaspar
Diretor de Soluções Consultivas

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Francisco Antonio Soeltl recebe prêmio nos Estados Unidos


Francisco Antonio Soeltl foi homenageado em 22 de abril de 2008 pela USDLA - United States Distance Learning Association, em St. Louis, Missouri, Estados Unidos, com um dos mais prestigiados prêmios mundiais pela excelência dos resultados apresentados com o e-Learning Brasil nos últimos 8 anos.


“Sentimo-nos extremamente honrados com o reconhecimento da USDLA pelo trabalho de estímulo ao desenvolvimento da prática do ensino a distância que temos realizado desde 2000 através do e-Learning Brasil em nosso país, com o portal, newsletter diária, revista eletrônica semanal, congresso e prêmio no Brasil”, declarou Francisco Antonio Soeltl.


Na mesma cerimônia, Daniel Webster, senador pelo estado da Flórida, foi homenageado com o prêmio Eagle USDLA 2008 pela sua liderança e comprometimento em promover oportunidades de educação sem precedentes em seu estado, utilizando educação a distância através da Escola Virtual da Flórida. Já Elliott Masie, fundador e Presidente do MASIE Center, localizado na cidade de Saratoga Springs, estado de New York, foi eleito para o Hall da Fama USDLA por relevantes serviços prestados ao ensino a distância em todo o mundo. 


Reggie Smith III, presidente do comitê avaliador do Prêmio USDLA, comentou: “Uma vez mais, os ganhadores do prêmio representam as melhores iniciativas de liderança no campo do ensino a distância em todo o mundo, e nós temos certeza de que esses líderes estarão inspirando e incentivando com suas experiências os participantes da Semana Nacional do Ensino a Distância, de 10 a 14 de novembro de 2008 (www.ndlw.org), assim como os mais de 3,5 milhões de leitores do portal da USDLA (www.usdla.org)."


Sobre a Associação de Ensino a Distância dos Estados Unidos (USDLA) - A USDLA é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1987, e está instalada na cidade de Boston, estado de Massachusetts.

Promove o desenvolvimento e aplicação do ensino a distância para educação e treinamento, atendendo às necessidades das comunidades através da informação e eventos para as instituições de ensino fundamental, médio e superior e educação continuada realizados nas residências, assim como para os meios empresarial, corporativo, militar e governamental nas esferas dos municípios e estados e mercado de teleatendimento de saúde. 

A USDLA é reconhecida mundialmente como símbolo de dedicação profissional e comprometimento com a indústria do ensino a distância.

Veja o vídeo do prêmio:

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Confira a cobertura do Congresso e-Learning Brasil 2001


Nos últimos dias 15 e 16 de março de 2001 foi realizado o primeiro Congresso e-Learning Brasil, com o objetivo de discutir o aprendizado online nas corporações.

O evento contou com a presença de diversos profissionais renomados; Elliott Masie, Leon Navickas, Gregor Rankin, Eric Shepherd, Mahesh Ham e Jeff Schwartz, que transmitiram a experiência internacional, beneficiando as empresas brasileiras, tornando-as mais produtivas e consequentemente, mais competitivas.

Elliott Masie, um dos palestrantes e consultores mais solicitados em todo o mundo no tema e-Learning, sendo um dos precursores do conceito e participante ativo em vários projetos de empresas multinacionais e instituições de ensino, apresentou um resumo com as principais contribuições e fatores de sucesso para sua implementação.

Masie também coordenou o painel de depoimentos dos palestrantes internacionais, e seção de perguntas e respostas da audiência.

Assista o vídeo com um trecho do primeiro Congresso e-Learning Brasil, realizado pela MicroPower.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter